ENTREVISTA

A nova embaixadora da L’ÓREAL PARIS é carioca, tem 18 anos e síndrome de Down: Conheça a história de representatividade da modelo Maria Júlia Araújo

A nova embaixadora da L’ÓREAL PARIS é carioca, tem 18 anos e síndrome de Down – inusitado? Não deveria ser. Ao lado de Kate Winslet no cenário internacional, ela também se junta a nomes como Taís Araújo ao representar a marca no Brasil, e mostra a que veio sem dever nada a outras modelos no universo da moda. Pelo contrário, é recordista da Fashion Week, tendo desfilado para mais de 40 marcas em apenas três dias! No Instagram, acumula 312 mil seguidores até o momento e esbanja bom humor em vídeos sobre representatividade nos reels. Nós precisávamos dela, não apenas nos catálogos, mas na nossa consciência coletiva: a profissional Maria Júlia Araújo é – pois sempre foi – possível. E mais sobre essa história a gente descobre no relato enviado pela garota-propaganda e sua mãe, Adriana, à Uma Revista.

Foto: Adriana Araújo

O CONVITE DA L’ÓREAL PARIS

“A agência estava realizando um casting para novas embaixadoras, e minha empresária Fátima enviou o meu perfil. Eles se encantaram com o meu perfil dizendo que eu era a cara da marca. Recebi o convite no início do ano, e foi uma surpresa daquelas que a gente fica sorrindo o tempo todo! Sempre amei a marca de verdade, e poder fazer parte do dream team de uma marca que é referência, sendo exatamente quem eu sou, foi um presente! É uma responsabilidade única e muito especial poder trazer essa representatividade ao mundo da moda e da beleza. Os padrões estão sendo desconstruídos, os olhares, as expectativas. A beleza é real e poder fazer parte dessa transformação é incrível!”

INSPIRAÇÕES

“Sempre gostei de conhecer as histórias por trás de pessoas que se tornaram referência naquilo que escolheram seguir. No mundo da moda, há duas pessoas que me motivaram muito: Gisele Bündchen e a modelo australiana Madeline Stuart, que também tem Síndrome de Down. Fora desse universo, existem muitas outras pessoas que me inspiram e motivam diariamente também!”

Maju tem a vantagem de ser uma profissional versátil, que se encaixa tanto nas passarelas quanto no perfil da modelo fotográfica.
Foto: Agência Fotosite / Divulgação

ENTRE AS PASSARELAS E OS ESTÚDIOS

“Sinceramente, eu amo muito as duas partes. Desde pequena sempre gostei de desfilar e fazer poses e, hoje, esse amor só aumentou. Estar em uma passarela sendo observada a cada passo, podendo ser eu mesma naquele momento, vulnerável e entregue é indescritível. E estar à frente das câmeras podendo me expressar através do meu olhar, das poses, poder me comunicar através de um simples click também é maravilhoso. Mas preciso compartilhar que foi um longo caminho para ser o tipo de profissional que se encaixa bem, tanto na fotografia quanto nas passarelas. Teve muito estudo e trabalho por trás para lapidar algo que eu já tinha dentro de mim.”

O MAIOR DESAFIO DA REPRESENTATIVIDADE NO MUNDO FASHION

“Existem muitos mitos que são produto da falta de conhecimento sobre a diversidade. Gosto de dizer que a diversidade não é uma simples aposta de marketing, é a nossa realidade! Você se comunica melhor com o público e com os consumidores quando traz a representatividade para a sua marca. O problema é que as pessoas ainda sentem muito dificuldade de compreender que a inclusão é um processo simples, espontâneo e cheio de aprendizado. Há uma resistência muito grande em sair da zona de conforto, em aprender e em mudar. Precisamos parar de tentar encaixar as pessoas em rótulos que nos aprisionam e começar a valorizar o quanto cada um de nós é único.”

CUIDADOS COM A BELEZA

“O autocuidado é um aprendizado diário, né? E eu sempre fui muito vaidosa nesse sentido. Amo hidratar e proteger a pele, e o meu cabelo também. Busco sempre aprender com as inovações. Com a minha profissão e rotina intensa de gravação, preciso sempre proteger meus fios e a pele porque estou sempre usando secador ou maquiagem. Sempre que posso, tiro um tempinho para deixar a pele e meus fios respirarem, evitando usar o calor e produtos como maquiagem. E, quando preciso usar, tenho todo um processo de cuidado pré e pós-produção! Por conta da Síndrome de Down, também preciso sempre ter um cuidado especial com uso de vitaminas para a saúde da pele e do cabelo devido a uma questão hormonal. E todo esse cuidado vale a pena!”

Foto de capa: Larissa Dias